Humildade

A humildade é o quanto uma pessoa tem uma visão relativamente precisa de si mesmo e leva em conta as necessidades e o bem-estar dos outros ao interagir com eles ao invés de se focar mais em si mesmo. Pessoas mais humildes têm melhor capacidade de perceber e reconhecer suas próprias forças e fraquezas, perceber as limitações das suas crenças, são mais modestas ao falar de si mesmas, mais abertas a novas perspectivas e respeitosas ao interagir com os outros. As pessoas costumam preferir fazer amizades e iniciar relacionamentos românticos com quem elas percebem como mais humildes ao invés de arrogantes. É como se a humildade fosse um sinal do quanto alguém é acessível e confiável em relacionamentos. Afinal, pessoas mais humildes tendem a se importar mais com as necessidades das pessoas com as quais elas se relacionam ao invés de se focarem só nelas mesmas. Isso pode ajudar a fortalecer o comprometimento nos seus relacionamentos e estimular a gratidão. A humildade é muito útil durante conflitos. Por exemplo, se você acaba ofendendo um amigo, a sua humildade pode te predispor a realizar ações reparativas, tais como fazer um pedido de desculpa, e a perdoar um amigo mais facilmente quando ele te ofender.

Se você for uma pessoa mais humilde, você provavelmente também será mais aberto a aceitar novas visões sobre as coisas e estará mais disposto a mudar suas ideias durante uma conversa ou diante de novas informações. Pessoas mais humildes tendem a sentir maior satisfação com a vida, saúde mental e física. Além disso, a humildade pode funcionar como um escudo psicológico, diminuindo o impacto negativo do estresse no bem-estar das pessoas.

Apesar da maioria dos pesquisadores da humildade falar dela como algo positivo e desejável, ela também pode se relacionar com uma visão mais negativa de si mesmo, insegurança e vergonha de receber elogios. Então nem sempre que alguém é visto como humilde significa que isso é algo benéfico para pessoa, já que a sua aparente modéstia pode esconder uma tendência a se auto-depreciar ou a ser excessivamente submisso aos outros. Na verdade, pessoas mais humildes não costumam apresentar esse tipo de problema com autoestima, mas quando olhamos só para o comportamento humilde manifestado pela pessoa pode ser difícil saber se é apenas a humildade dela que está em jogo ou se existe uma auto-depreciação envolvida.

Algumas pessoas tentam passar uma boa impressão para os outros ao se gabar de forma humilde, por mais estranho que isso possa soar. Isso acontece quando a pessoa destaca uma qualidade sua, mas disfarça isso na forma de uma reclamação para parecer mais humilde. Por exemplo, alguém poderia postar uma foto com cara de cansado e colocar na legenda “como é chato ser perfeccionista, dá muito trabalho” ou uma foto do próprio rosto com a legenda “já cansei das pessoas me confundirem na rua com a Angelina Jolie, ai que saco”. Na prática, as pessoas costumam achar isso pouco sincero, o que torna essa estratégia de autoapresentação pouco eficaz.

Talvez você tenha receio de admitir os seus erros porque acha que vai ser visto ou vista como menos competente pelos outros, mas na verdade pessoas que admitem os seus erros tendem a ser vistas como mais amigáveis e humildes. Sabe o que realmente tende a passar uma impressão negativa? As pessoas perceberem que você errou, que não é capaz de perceber que está errado e você ainda querer defender o seu erro com unhas e dentes ao invés de só admitir que estava errado. Por mais bonita que a humildade seja na teoria, nem sempre é fácil se comportar de forma humilde. Muitas vezes, pode ser humilhante ter que admitir um erro ou aceitar que uma ação ou ideia sua estava equivocada.

Como já falamos em, as pessoas têm a necessidade de manter uma imagem positiva de si mesmas. A notícia boa é que a humildade é como um músculo: quanto mais você exercitá-la, mais forte ela vai se tornando depois. Por isso, da próxima vez que receber uma crítica ou estiver em um conflito, tente se fazer o seguinte questionamento: será que eu me equivoquei e nem percebi? Nessas horas, é bom lembrar que poucas pessoas conseguem te enganar tão bem quanto você mesmo.